Trabalho de acadêmicos de Psicologia será apresentado no II Fórum Internacional de Saúde Mental

Trabalho de acadêmicos de Psicologia será apresentado no II Fórum Internacional de Saúde Mental

O evento tem o objetivo de promover um espaço de debates e trocas de experiências entre pessoas e organizações

O trabalho intitulado “A psicologia e o manejo com pacientes oncológicos: um relato de experiência no interior da Amazônia” escrito pelos autores Caio Modtkwski, César Fylipe Prieto, Jéssica Moreira, acadêmicos do 5º período de Psicologia da Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal (Facimed) sob orientação dos professores, Bruno Borine e Leila Gracieli da Silva, foi selecionado para apresentação no II Fórum Internacional em Saúde Mental que acontece em Manaus/ AM nos dias 18 e 19 de maio.

O II Fórum Internacional: Novas Abordagens em saúde mental em Manaus tem por objetivo promover um espaço de debates e trocas de experiências entre pessoas e organizações que vêm construindo novas práticas em saúde mental, visando o desenvolvimento da qualidade dos serviços em articulação com a comunidade. A idealização do Fórum resulta de articulações entre profissionais de saúde, professores, da International Mental Health Collaboration Network (IMHCN), do Centro Educacional Novas Abordagens Terapêuticas (CENAT), usuários e familiares. 

Segundo Jessica, a ideia da pesquisa surgiu a partir de duas experiências vivenciadas na Casa de Apoio Nova Esperança, que desde 2016 oferece a pacientes que estão em tratamento contra o câncer, acomodação, transporte e alimentação em Cacoal. “A primeira, no 3º período, se deu com o Estágio Básico em Técnicas de Observação e Entrevista e a segunda, no 4º período, com o Estágio Básico Institucional. Ambos realizados na casa de apoio, com olhares diferentes, que permitiram analisar diversos aspectos e assim originar o relato de toda experiência vivida”, complementou.

A cidade de Cacoal é um centro de tratamento oncológico, que atendem paciente de Rondônia e outros estados do país, desta forma há casas de apoio para acomodar os pacientes e seus acompanhantes. “Nessas instituições, percebemos a dificuldade no enfrentamento da doença, de modo que ao realizar o trabalho foi possível promover a Saúde Mental dos pacientes e acompanhantes. A importância em levar esse tema para fora do Estado, se dá para mostrar a realidade da casa e do município em relação ao tratamento de pacientes oncológicos. Mostrar que pacientes de diversas partes do país, fazem uso dessa casa e dos cuidados médicos disponibilizados na cidade”, disse a acadêmica.